21 274 9631/21 2728370geral@mestrecuco.pt Praceta Alfredo Keil 15B, 2800-671 Almada, Portugal
Created by potrace 1.15, written by Peter Selinger 2001-2017

Era uma vez um Príncipe…

Certo dia de Janeiro do ano de 2007, dentro de um “ovo”, entrou pelo Cuco dos Bebés, um pequeno príncipe. Ia acompanhado pela mãe e pelo pai, que de coração ao alto, sentiam que tinham encontrado o lugar certo, para este pequeno ser poder crescer e ser feliz…

E assim começou, este nosso apego, este nosso carinho pelo Cuco. Ainda parece que foi ontem, que deixámos entregues aos cuidados da Marisa e da Célia, o nosso doce periquito. Foi neste berçário, que o Gui conheceu alguns dos seus mais próximos amigos, foi aqui que sentiu atenção, mimo e carinho, ao ponto do dia passar tão a correr e nem se aperceber que nós andávamos nos nossos afazeres de crescidos.

Entrávamos todos os dias, com o coração aconchegado pelo simpático e caloroso bom dia da D. Manuela, que nos fazia sentir como se estivéssemos em casa.

E num instante começou a grande aventura com duas pessoas, que depressa se tornaram amigas do peito. A grande aventura com a Maria João e com a Nocas. Primeiro na sala dos Bem me Queres, e depois a Sala Amarela, e depois a Sala Laranja e ainda a Sala Verde. Ufa!!!!! Foram anos passados a voar, mas com tantas recordações, como aquele fantástico final de dia em que a Nocas e a João fazem sinal para me “esconder” e pela pequena janela, vejo o meu pequeno príncipe, qual pata choca, a ir de uma ponta para a outra e a dar o seus primeiros passos. Lembro-me de olhar maravilhada e pensar o quanto fabuloso era poder partilhar estes momentos com estas duas fantásticas mulheres. E as vezes que éramos as três a “ Mãe”! Sim… eu era a mãe, a João era a mãe, a Nocas era a mãe, que fartura de mães! E que bom que era sentir o conforto do nosso filho! Sentir que durante todos aqueles anos, os dias do Gui foram preenchidos por muita brincadeira, muito mimo e carinho, alguns ralhetes, porque, por favor, dedo na boca e três “dodôs” não era fácil de gerir. Mas foram dias preenchidos por tanto amor!!!

E que engraçado era ver o Gui e os amigos, quando chegávamos de manhã, irem pedir pão à Fernanda!

E quando menos esperamos estamos no Cuco dos Crescidos, estamos no castelo e o Gui é Finalista.

Oh Meu Deus que aperto que era pensar que tínhamos que deixar o Cuco para trás. Tantas vezes pedia à Ana Margarida para abrir o 1 Ciclo e um célebre dia as minhas preces foram ouvidas e o Gui o primeiro da lista! Óbvio que não fui a responsável por tão magnífica notícia, mas quero pensar que fiz pressão!!! E assim deixam a Sala dos Finalistas, pela mão da João, e da Nocas, prontos para conhecer ainda mais do mundo!

E é na Sala Mar, com a maravilhosa Prof. Vanda, igualmente uma grande amiga do peito, que o Gui começa o seu percurso académico, conhece as letras e os números. Conhece a leitura e as palavras, conhece as contas e os símbolos, aprende dos rios, das serras, dos Reis. Mas acima de tudo aprende a gostar de aprender, aprende a gostar da escola e a ter brio no que faz. Aprende que com empenho, esforço e estudo todo um mundo se abre aos seus pés. Aprende que não há Professora como a nossa Professora da Primária. Não há professora como a Vanda que lhes ensinou a questionar, a ver as coisas com outros olhos, sempre com um enorme sentido de justiça e responsabilidade.

E lá está.. o tempo não pára e nós também não… e de repente o Gui tem 10 anos e deixa o recreio do Cuco para conhecer um tão maior. E inicia o seu percurso cá fora… lembro-me de sentir borboletas na barriga no primeiro dia que o levámos à Anselmo, tão pequenino mas tão ansioso pela novidade e por crescer. Mas nem tudo era tão diferente assim… porque o grupo do Cuco estava lá…e se o grupo do Cuco estava lá então só podia correr bem! E nestes dois últimos anos, anos mais difíceis, em que não são “nem carne nem peixe”, em que começam a descobrir que afinal têm opinião, têm voz, tiveram a doce Inês a “iluminar” o caminho. Nem sempre a direito é verdade, mas sempre luminoso e caloroso. Sim porque isto não é fácil…ter que dar espaço, mas não totalmente, ter que dar independência, mas impor limites… Mas uma vez mais, tiveram uma amiga, que sempre os consolou, que sempre os protegeu e ajudou! Seguramente um grande desafio para a Inês, que na minha opinião, teve o privilégio de privar com estes meninos e meninas nesta fase de desabrochar para a vida e teve o privilégio de fechar a porta.

Sim porque desta vez não fui bem sucedida e o tempo do Cuco terminou! Enfim este terminou é muito relativo…

E explico porquê…porque o Cuco e as pessoas que fazem o Cuco estão sempre connosco. Basta olhar para a porta do nosso frigorífico e ver os mimos com os quais fomos presenteados ao longo dos anos! E as dezenas, centenas de fotografias que se espalham pelas molduras, pelos álbuns, pelas agendas, nas medalhas coladas na parede do quarto diz Gui, basta pensar nas amizades que fizemos, basta pensar nas lições que aprendemos, nos desafios que superamos e na realidade basta olhar para o Gui!

E é tudo isto, é por tudo isto que não temos palavras suficientes que expressem a nossa gratidão, por estarem sempre do nosso lado nesta árdua tarefa que é ser Pais e educar e formar uma criança. Nada substitui o estado de espírito com que sempre deixámos o Gui, com que sempre fomos buscar o Gui… nada substitui a atenção, o cuidado, o carinho, a amizade que sempre tiveram para com o nosso filho! E é deste sentimento que não me sinto capaz e não quero abrir mão!

Obrigada…obrigada por fazerem parte da nossa vida! Por fazerem parte da vida do Gui!!!!!

Rosária Ferreira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *